Um Barco

terça-feira, 22 dezembro 2009

Não querer

Não quero mais, não quero!
Mas desejo, mesmo sem querer.
Não quero mais navegar,
Nos mares de meu desejo.

As pedras do jardim, não quero,
Nem os peixes que nadam e negam
Que desejo o que não quero,
Mesmo desejando, sem querer.

Não quero mais a lua branca,
Mas a desejo redonda, amarela,
Iluminando o que não mais quero
E o rubro desejo de querer mais.

Não mais à beira-mar.
Amar não quero, só desejo a espuma
Se espalhando em meu barco,
À beira de meu desejo.

Uma praça já não quero,
Nem banco ou carrocinha,
Mas desejo uma rua, reta,
Que me leva, leve e não me traz.

Não quero o rolar das pedras
Sopradas por ventos novos,
Mas desejo que brilhem os sons
Dos sinos da liberdade.

Quero mais, quero num bar,
Que meu desejo se molhe,
No mar de não mais querer,
No ato de beber, como quero!

Não quero, não por querer.
Desejo, não por querer.
Desejo, por não querer.
Não quero, por desejar.

Não quero, desejo, não…quero!

O Bem e o Mal
(Danilo Caymmi & Dudu Falcão)

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Eu guardo em mim dois corações
Um que é do mar, um das paixões
Um canto doce,
Um cheiro de temporal
Eu guardo em mim um Deus,
Um louco, um santo
Um bem e um mal

Eu guardo em mim tantas canções
De tanto mar, tantas manhãs
Encanto doce
O cheiro de um vendaval
Guardo em mim
O Deus, o louco, o santo
O bem e o mal

Eu guardo em mim tantas canções
De tanto mar, tantas manhãs
Encanto doce
O cheiro de um vendaval
Guardo em mim
O Deus, o louco, o santo
O bem e o mal

Filed under: Música,Poesia — Um Barco @ 5:03 pm

quarta-feira, 9 dezembro 2009

E no mais?

No mais? No mais é isso…

Indo, às vezes navegando, em outras conduzido ou arrastado pela corrente diária do cotidiano, quando não despencando em alguma cachoeira mas, pelo menos, indo. Melhor que a tranquilidade ilusória dos lagos calmos nos quais abrimos mão das emoções em prol de uma paz que, na verdade, esconde o conformismo e a condescendência.

No mais, é querer sentir que ainda há uma vontade, oculta ou não, um desejo, qualquer coisa que diferencie aceitação de satisfação, responsabilidade de receio, vontade de hábito.

No mais, conciliar ou tentar harmonizar sentir e pensar, sabendo da impossibilidade disso, pelo menos num nível que não pareça, mesmo de fato sendo, que estamos querendo nos enganar. Olhar em volta e ver que tudo, bem sabemos, não passa de formas distintas da mesma coisa, o que não nos impede de ter a ilusão de um novo inexistente, a não ser em nossas fantasias e esperanças.

No mais, o olhar perdido nas paredes, vazio, mais por não saber como, do que não ter o que olhar, por não reconhecer ou não aceitar, daí a visão de um vácuo infinito, que preenchemos com o que resta de nossas quimeras.

No mais, as alegrias já conhecidas e repetidas, algumas até esperadas, apreciadas pelo que são e não pelo que representam, por nos trazer aquela esperança de uma próxima vez, cada vez mais próxima da última, o que as faz mais raras.

No mais, presenças amigas, desinteressadas de qualquer coisa que não seja a proximidade, a troca, o compartilhamento de solidões, iguais na forma, mesmo que não o sejam nas causas, sensação de se reconhecer no outro, espelho indefinido e fiel.

No mais, é tudo aquilo em que não pensamos, por já estar incorporado à rotina, coisas boas, pequenos prazeres, um gole de vinho ou cerveja com amigos, uma canção que toca em alguma corda interna, um sorriso lido ou imaginado num rosto até desconhecido, mas querido, a paz de árvores em dias sem vento.

No mais, a noite, sempre ela, embalando lembranças, acolhendo vontades, iludindo razões, cobrando atos para, ao acordar, devolver tudo em forma de nós desatados, farrapos de sonhos, realidades equivocadas.

Pensando bem, no mais é, na verdade, muito menos do que queremos crer, muito embora seu peso pareça nos esmagar, nos curtos intervalos da vida, em que nos confrontamos com a natureza fluida das aspirações distantes.

Pensando melhor, no mais, tudo bem…

A Noite
(Ivan Lins & Vítor Martins)

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

A noite tem bordado
Nas toalhas dos bares
Corações arpoados
Corações torturados
Corações de ressaca
Corações desabrigados demais

A noite tem falado
Nas cadeiras dos bares
De paixões afogadas
De paixões recusadas
De paixões descabidas
De paixões envelhecidas demais

A noite traz no rosto sinais
De quem tem chorado demais

A noite tem deixado
Seus rancores gravados
À faca e canivete
À lápis e gilette
Por dentro das pessoas
Por dentro dos toilettes e mais
Por dentro de mim

Filed under: Música,Prosa — Um Barco @ 7:27 pm

Gerado com WordPress