Um Barco

terça-feira, 17 agosto 2004

Ser ou não ser…Um Barco

Originalmente, o post compunha-se apenas da canção abaixo cuja letra, na ocasião em que coloquei no ar, dizia o que eu desejava, motivo pelo qual não havia texto de ligação.

Ainda diz, mesmo após mais de seis anos, embora muita coisa nova pudesse ser dita, em torno de ser ou não Um Barco. 

 

O Navegante
(Sidney Miller)

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Quero um montão de tábuas e um motor de pano
Pra passear meu corpo e adormecer meu sono
Na esburacada estrada do oceano

Aportarei meu barco apenas de ano em ano
E onde houver silêncio eu ficarei cantando
Pra não deixar morrer o gesto humano

Entenderei as águas e os peixes passando
E se me perguntarem pra onde vou e quando
Responderei, apenas navegando, apenas navegando

Embarcarei comigo feminino canto
Pra que não falte a vida quando for preciso
Uma razão mais forte que o espanto, mais forte que o espanto

Semearei meu sangue, meu amor, meu rosto
Pra que depois de mim eu possa estar presente
Entre as canções que eu não houver composto

Naufragarei um dia em pleno mar sem dono
E submerso em lendas como como um visitante
Entre os recifes dormirei meu sono

Filed under: Uncategorized — Um Barco @ 11:45 pm

Gerado com WordPress