Um Barco

terça-feira, 22 dezembro 2009

Não querer

Não quero mais, não quero!
Mas desejo, mesmo sem querer.
Não quero mais navegar,
Nos mares de meu desejo.

As pedras do jardim, não quero,
Nem os peixes que nadam e negam
Que desejo o que não quero,
Mesmo desejando, sem querer.

Não quero mais a lua branca,
Mas a desejo redonda, amarela,
Iluminando o que não mais quero
E o rubro desejo de querer mais.

Não mais à beira-mar.
Amar não quero, só desejo a espuma
Se espalhando em meu barco,
À beira de meu desejo.

Uma praça já não quero,
Nem banco ou carrocinha,
Mas desejo uma rua, reta,
Que me leva, leve e não me traz.

Não quero o rolar das pedras
Sopradas por ventos novos,
Mas desejo que brilhem os sons
Dos sinos da liberdade.

Quero mais, quero num bar,
Que meu desejo se molhe,
No mar de não mais querer,
No ato de beber, como quero!

Não quero, não por querer.
Desejo, não por querer.
Desejo, por não querer.
Não quero, por desejar.

Não quero, desejo, não…quero!

O Bem e o Mal
(Danilo Caymmi & Dudu Falcão)

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Eu guardo em mim dois corações
Um que é do mar, um das paixões
Um canto doce,
Um cheiro de temporal
Eu guardo em mim um Deus,
Um louco, um santo
Um bem e um mal

Eu guardo em mim tantas canções
De tanto mar, tantas manhãs
Encanto doce
O cheiro de um vendaval
Guardo em mim
O Deus, o louco, o santo
O bem e o mal

Eu guardo em mim tantas canções
De tanto mar, tantas manhãs
Encanto doce
O cheiro de um vendaval
Guardo em mim
O Deus, o louco, o santo
O bem e o mal

Filed under: Música,Poesia — Um Barco @ 5:03 pm

3 Comments »

  1. Eu quero mais, eu quero!
    Preciso , mesmo sem querer,
    Navegar nos mares do desejo…
    Qualquer dia desses… espero…

    Estar à beira-mar,
    Me entregar ao infinito,
    Molhar meus pés, sentir o ar…
    E me levar na espuma do tempo…

    Entrar no mar, confiante,
    Em direção a um barco distante,
    A lua iluminando meu caminho,
    Na promessa de uma noite sem fim…

    Me guiar pelo vôo livre das gaivotas…
    Em seu trajeto, minha orientação,
    Para ir atrás daquilo que desejo,
    Sem medo, sem dor… libertação!

    Comentário by Márcia — domingo, 27 dezembro 2009 @ 10:32 pm

  2. Estive aqui no seu barco encantando-me com a poesia.

    Comentário by Marisa — sexta-feira, 8 janeiro 2010 @ 2:17 pm

  3. Também não quero mais.
    Não preciso mais navegar,
    Pois os mares do meu desejo
    Estão dentro de mim.

    As pedras do jardim,
    Posso usá-las para cercar as flores…
    A lua branca não brilha apenas no mar…
    Ela ilumina a areia, a grama, a cama…

    Amar eu quero, a todos os seres,
    Mas também a um só, que tudo concentra.
    Olhando a estrela cadente, fazendo pedidos,
    Percebendo em seguida que o que quero, está ao lado.

    Também “desejo que brilhem os sons
    Dos sinos da liberdade”…
    Liberdade de tocar, de querer, de ver…
    De abraçar, de sonhar, de viver…

    Comentário by Márcia — domingo, 14 março 2010 @ 7:04 pm

RSS feed for comments on this post.

Leave a comment

Gerado com WordPress