Um Barco

sexta-feira, 20 agosto 2004

Navegar é…

É preciso, é impreciso, não é preciso, é necessário mas não preciso. É preciso porque viver é navegar, o mais é arremedo. É suficiente. Não nos esqueçamos de que para navegar é preciso viver, não é preciso?

Essas e muitas outras frases permeiam qualquer discussão em torno da analogia (dualidade?) navegar-viver, a partir da frase de Fernando Pessoa.

E entendam viver no sentido mais amplo, virtual incluído, claro e principalmente.

Por mais que alguém afirme ser a mesma pessoa no real e no virtual, (e aqui o termo “virtual” diz respeito à comunicação instantânea na web, chat, mirc, msn, icq, etc.) os códigos de comunicação são muito diferentes.

“Um Barco” é um indicativo dessa analogia ou dualidade. O que falta definir, o que não é nada trivial, é a motivação, que, para cada navegante, é uma, única.

E quando não houver mais motivação para navegar? E quando circunstâncias agem contra nossa vontade de navegar? Sempre haverá uma música para dar uma visão, que não é a única, mas uma a mais.

 
Um Fado
(Vitor Martins – Ivan Lins)

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Nem uma esperança à vista
Nada virá do horizonte
Não haverá mais conquistas
E nem quem as conte

Mulheres gastaram as contas
Do terço em salve-rainhas
Contando nos dedos os filhos
Que faltam nas vinhas

Pra enxugar tantos olhos
Fizeram muitos moinhos
Mas o vento foi pouco
E os olhos do povo
Mancharam as vestes de vinho

Nem uma esperança à vista
Não haverá mais conquista
Não, navegar não é preciso
Viver é preciso

Filed under: Digressões,Música — Um Barco @ 11:24 pm

1 comentário »

  1. COMENTÁRIOS ANTIGOS

    [Nina]
    Um barco deve conhecer bem as ondas do mar…as vezes estão mansas, outras revoltas…exatamente como a vida. O ideal é não lutar contra elas, e sim aguardar pelo melhor momento. Deixe-se levar…não havendo motivação, ou ainda,se situações adversas não permitirem que vc navegue, espere…nada como um dia após o outro…com certeza tudo se acalmará e novamente vc sentirá vontade de rasgar oceanos…seja com letras ou com músicas. Lembrando outra bela frase de Fernando Pessoa: “Sentir tudo de todas as maneiras, viver tudo de todos os lados, ser a mesma coisa de todos os modos possíveis ao mesmo tempo.” Beijinhos… Nina.
    23/08/2004 23:54

    [Loba]
    Navego na virtualidade como náufraga em busca da ilha…. ous eria do barco? rs… Como sempre, seu post permite inúmeras interpretações. A música ajuda a trilhar o caminho do seu pensar mas vc jamais permitirá ser visto senão atrás das nebulosas! Mas olha, tou encomendando asas, viu? Pretendo voar além das nuvens… rs… Beijos de segunda pra esquentar a semana!
    23/08/2004 18:15

    [orvalho]
    “Não, navegar não é preciso Viver é preciso.” Assim me sinto agora. saudade. (sobre as virtualidades)
    22/08/2004 19:38

    [Cúmplice]
    Corrigindo: Reli todos os antigos posts e os que ainda não havia lido.
    21/08/2004 21:37

    [Cúmplice]
    Cúmplice querido: estive aqui e aqui fiquei bom tempo. Reli todos os antigos posts que ainda não havia lido. Vim, como a buscar colo, ombro amigo. O teu ombro que, embora “virtual” é tão real na minha vida. Obrigada sempre, meu Cúmplice. O meu carinho e o meu beijo.
    21/08/2004 21:35

    Comentário by Um Barco — sábado, 6 novembro 2010 @ 12:42 pm

RSS feed for comments on this post.

Leave a comment

Gerado com WordPress