Um Barco

terça-feira, 23 outubro 2007

Delírio

Quando um pouco ou quase nada
É o que enche até a borda,
Na sobra que nos resta,
Daquilo que era o tudo,
O que se tinha, o que foi dado,
O que escapou entre os dedos,

Quando o que fica é pouco,
E é só o resto do que foi
E a nós parece raso e parco,
Comparado com o que havia,
O real toma forma e se apresenta,
Como um vago devaneio no sonho.

Em meio ao vazio, a esperança
Teimosa, insistente, contumaz.
Em meio ao vazio, o olhar perdido
Num futuro inconstante, frio,
Naquilo que é apenas símbolo,
Na alegoria fugitiva do presente.

Em meio ao presente, o devaneio
Amigo constante, persistente, fiel.
Em meio ao presente, o olhar certo
Num futuro, agora sólido e cálido,
No símbolo que, para nós, representa
A alegoria última, delírio real.

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Dia branco
(Alceu Valença)

Deusa da noite
Sangrenta e fria
Irmã da lua
Mulher da noite e do dia
Eu vim de longe
Atrás da brisa
Com sete pedras
Bordei a minha camisa
Pra ver a doida das lantejoulas
Dos lábios verdes de purpurina
Dançar na noite nos Quatro Cantos
Com seu vestido de bailarina
Fazer o riso, tremer o medo
Fazer o medo, virar sorriso
Fazer da noite dos Quatro Cantos
Um dia branco feito domingo

Filed under: Poesia — Um Barco @ 5:43 pm

Nenhum comentário »

No comments yet.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URL

Leave a comment

Gerado com WordPress