Um Barco

sábado, 23 outubro 2004

Motivações, opções e outras explicações.

Cobrado por uma amiga, sobre minhas infreqüentes atualizações neste blog, respondi-lhe que era preguiçoso. Acrescentei que também era hiperativo. Claro que uma das respostas era brincadeira. A primeira.

Já me defini como difuso, o que é verdadeiro e até conseqüência de minha hiperatividade. O fato é que me perco em mim mesmo. O rítmo, às vezes alucinante, de meu trabalho desmente minha pretensa preguiça.

Por motivos conjunturais, não costumo sair muito à noite, sendo a internet e o chat fontes de lazer. Por outro lado, tenho uma certa tendência a (ou vontade de) ser “geek” e gosto de informática (com alguma ênfase em programação). Isso tudo, para não falar nas tarefas que trago do trabalho para casa e que, de uma forma ou de outra, envolvem o uso do computador.

Não gosto de televisão, excetuando-se alguns shows e filmes. De vez em longe, uma dedilhada no violão, só para não esquecer, já que, uma vez por mês, me reúno com um grupo de amigos, para cantar, tocar, beber e beliscar petiscos, não necessariamente nessa ordem. Pronto, está montado o panorama de minha distribuição de tempo.

Puxa! Já ia me esquecendo! Tenho uma família (esposa, filha, sogra e gato) e tudo o que isso implica em disponibilidade de tempo. Falta ainda alguma coisa? Claro, sempre falta, mas fiquemos com essas variáveis das “opções”, do título do post. É óbvio que tudo que escrevi até esse ponto engloba as tais “explicações”, também do título.

O incentivo para a navegação de “Um Barco” é representado pelos comentários das(os) amigas(os) que, apesar da tendência desse “diário da web” (weblog=blog) se transformar em um mensário ou mesmo anuário, tendendo a um seculário, teimam em deixar, sob a forma de comentários, pedaços de carinho, que absorvo, com o prazer de quem come (desde que goste, é claro) uma torta de chocolate (sou chocólatra, portanto, já que este post é uma obra aberta, substituam pelo acepipe preferido).

Em particular, para o post de hoje, meu agradecimento vai para Marcos, autor de um bem humorado e inteligentemente crítico blog, cujo comentário reproduzo abaixo, na íntegra:

[Marcos][www.esculachoesimpatia.zip.net] Meu caro “Barco”, é uma maldade o que nos faz deixando-nos tanto tempo sem lê-lo.
21/10/2004 21:48

O que dizer agora de minhas motivações? Nada, apenas que gravitam ao sabor de meus devaneios instantâneos. Cada post que está neste blog partiu de um incentivo: uma lembrança, um chat, escritos antigos (poucos), desenterrados por uma pá de neurônios e desencadeados pelo acaso ou por um caso. De qualquer modo, mesmo que tarde, me vejo aqui, desnudando-me um pouquinho mais, numa catarse virtual coletiva e co-letiva, já que viver é aprender, embora nem sempre se aperceba disso no momento.

Meu caro Marcos, obrigado pela tacada na bola branca de minhas motivações. A você, dedico este post. A música é, como a maioria das que aqui coloco, não muito conhecida, mas com alguma referência ao momento. Este arranjo é ainda menos conhecido, com o “Som Imaginário”, nos idos de 1970 e com a letra diferente da gravada posteriormente por Beto Guedes. O momento é, ao escrever este post, platônico, com caverna e tudo.

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Feira Moderna
(Beto Guedes & Fernando Brandt)

Tua cor é o que eles olham, velha chaga
Teu sorriso é o que eles temem, medo, medo
Feira moderna um convite sensual
Oh! Telefonista, se a distância já morreu
O meu coração é velho
O meu coração é morto
E eu nem li o jornal

Nessa caverna o convite é igual
Oh! Telefonista, a palavra já morreu
Independência ou morte
Descansa em berço forte
A paz na terra – amem

Filed under: Digressões,Música — Um Barco @ 6:36 pm

1 comentário »

  1. [Ricardo Caldieraro] [caldiera@terra.com.br] [http://fotolog.terra.com.br/travelogue]
    Nem sei quem é Barco, mas gostei da versão da Feira Moderna postada. Desde minha adolescência (hoje tenho 46), “matuto” sobre essa letra. Só consigo sentir “algo forte”. Se você puder me dar sua interpretação sobre ela, ou a palavra dos autores, agradeço muito. Ninguém tem qualquer compromisso em explicar poesia, mas para mim, seria uma pérola. Abração!
    23/06/2009 22:00

    [A ilha]
    Suas palavras são uma surpresa sem fim!!!!!!
    27/10/2004 22:32

    [*Bia]
    Amigo…como é bom te ler.Como é bom te ‘ter’.Cada visita aqui é te conhecer mais um tiquinho e te gostar mais um ticão..rs.. Impossível não acabar amando um ser real,que se mostra ,sem máscaras.Esteja sempre conosco.Um blog,não é sucesso pelo número de msgs que posta ou recebe,mas pelo número de amigos leais que ele conquista.Te gosto demais!!!
    27/10/2004 01:01

    [Cúmplice]
    Meu beijo de saudade e carinho…
    26/10/2004 21:09

    [lettie]
    Querido Um Barco.Muito agradavel te ler de tao longe.Um gostinho doce em uma luta diaria de correrias.Deixo aqui meu enorme beijo de carinho e consideracao.
    24/10/2004 15:26

    [Loba]
    Na falta do que dizer deixo um beijo feliz por ter vc aqui de novo.
    23/10/2004 23:32

    Comentário by Um Barco — quarta-feira, 24 junho 2009 @ 8:47 am

RSS feed for comments on this post.

Leave a comment

Gerado com WordPress