Um Barco

quinta-feira, 26 agosto 2004

Navegar em círculos…

Quantos albuns de retratos em branco e preto já organizamos, com instantâneos infelizes de nossa vida? Quantas vezes pronunciamos, até enfaticamente, aquela expressão emblemática “nunca mais!” para, dali a algum tempo embarcar numa viagem cujo destino antevemos, mas seguimos assim mesmo, porque o momento nos exige, nós nos exigimos?
É da natureza humana a repetição voluntária de ações com a conseqüente tomada de decisão que, sabemos, nos conduzirá a um mergulho melancólico interior, quando não na nossa tristeza abissal.
O que importa é o momento, o imediatismo de uma alegria fugaz (mas não vã): uma compra precipitada, a discussão impensada, a satisfação de um desejo.
Após o mergulho, a emersão, a recomposição, a necessidade, a ação.
E isso não chega a ser trágico, já faz parte de nosso código de vida, é nossa rede privada, a nos enredar e a nos direcionar. E é bom, quando é satisfatório.
Somos cíclicos, queiramos ou não. Circulares, num cotidiano seguro mas insatisfatório ou ondulatórios, com picos e vales de ânimo.
Essa reflexão me veio com a leitura do post de Loba. No comentário que fiz, disse-lhe que ela conheceria essa música, cíclica, mas que traz uma mensagem de renascimento, a emersão após o mergulho, o início de um novo ciclo.

Passacalha
(Edino Krieger e Vinicius de Moraes)

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Nasci
Andei
Fugi
Voltei
Sorri
Chorei
Amei
Morri

Nasci – No mundo me encontrei
Andei – No sonho me perdi
Fugi – Na estrada me cansei
Voltei – Sozinho me senti
Sorri – Pra não chorar cantei
Chorei – Do tempo esqueci
Amei – E a esperar fiquei
Morri – Pelo sol de um novo canto

Cantando assim andei
Andando assim fugi
Fugindo assim voltei
Voltando assim sorri
Sorrindo assim chorei
Chorando assim amei
Amando assim eu morri

Morrendo assim foi que eu nasci
Pra andar, pra fugir, pra voltar
Pra sorrir, pra chorar, pra amar
Sempre assim

Rumo sem fim, dentro de mim
Pela estrada é noite, é madrugada
E eu vou seguir cantando
Quando eu nascer outra vez
Vou andar outra vez
Meu caminho na esperança
De um novo dia que vai despontar
Na manhã menina eu sou criança

Uma explicação adicional. Não tenho certeza, mas creio que havia uma letra original do próprio compositor Edino Krieger que foi, posteriormente, alterada (para melhor) por Vinicius de Moraes, neste arranjo.

Filed under: Prosa — Um Barco @ 10:38 pm

1 Comentário »

  1. [Silvia Purper] [bruxinhosop@yahoo.com.br] [www.silviapurper.bio.br]
    Sou completamente apaixonada por Passacalha, mas não encontro em CD, nem tenho mais o disco, pois esprestei e não devolveram. Obriada por compartilhar uma das mais lindas músicas do nosso repertório. Até hoje lembro da apresentação dessa música no Festival da Canção. Bons tempos.
    11/06/2008 19:27

    [José Marcos Ramos] [jramos@hc.ufmg.br]
    Renasci muitos anos ouvindo PASSACALHA, valeu! Obrigado.
    17/08/2007 22:33

    [Cúmplice]
    Horrível, o meu comentário anterior. tentarei algo mais à altura do seu post. indiscutivelmente, a vida é cíclica. E, promessas de “nunca mais” perdem-se quando surgem novas perspectivas. Nem sei se isso é bom. Mas, como diz Pessoa e vc, na abertura do Blog: “navegar é preciso”, sejam quais forem os ventos. O beijo de sempre, imenso e carinhoso.
    03/09/2004 11:18

    [Cúmplice]
    Beijo, Cúmplice querido1 Um feriado cheio de luz, coisas boas e “nada a fazer”. Lembra-se da intuição feminina? Pois é, concretizou-se…rs beijo de imenso carinho!
    03/09/2004 11:14

    [Nina]
    Oiiiiiiiii…Barquinho!!! Nossa, acabei de comentar no post da Qualquer: “LEONINA”…e falei que sou uma autêntica escorpiana, sendo assim, procuro agir como Fênix,mergulhando fundo naquilo que me é importante, e ressurgindo das cinzas, qdo necessário…é o jeito… Mergulhar fundo nas experiências, aprender com elas e renascer…CICLICAMENTE. Muito bom ler vc… Beijinhos. Nina.
    30/08/2004 18:32

    [Ritinha]
    teu blog é tudo de bom, navegar realmente não é preciso, chega de irmos pelo que o povo fala não é? podemos até ir, mas achar que é verdade, que é lei… que é necessário.. isso já é outros quinhentus! Barco lindo vc.
    27/08/2004 17:10

    [Loba]
    A sua reflexão é perfeita. Dá uma clareza enorme ao meu grito de impotência, porque mesmo sem racionalizar e sendo apenas emoção naquele momento, há a intuição deste ciclo que se repete indefinidamente. Agora, a intuição vira racionalização. Obviamente depois de te ler, né? rs… Não conhecia a música. A letra me lê inteiramente. E a melodia embala o círculo e o arredonda. A sensação é de um constante renascer. E o meu renascer se faz cotidianamente, vc sabe,né? Beijo e obrigada por ser tão especial.
    26/08/2004 23:06

    Comentário by Um Barco — quarta-feira, 17 junho 2009 @ 10:13 am

RSS feed for comments on this post.

Leave a comment

Gerado com WordPress