Um Barco

sábado, 12 junho 2004

Desencontros…

Uma sala de chat, uma frase mal colocada ou impensada, uma resposta dura, apesar de verdadeira…desencontro…uma idéia para um post.
É para este tipo de desencontro que este post é dedicado. Aquele que parte de pressupostos errados, de interpretações equivocadas, de idéias cristalizadas tudo isso em confronto com a(o) outro(a) que, pelo menos naquele momento, naquele contexto, pensa diferente, interpreta com seus códigos, a partir de seus próprios paradigmas. E dá-se o choque.
Daí em diante, um vácuo que, se não prontamente preenchido (e consegui preenchê-lo, no chat), a separação, o desencontro.
Tantas e tantas músicas falam disso, mas, e até na contra-mão do título deste post, busquei uma canção que resgata, no final, a união.
Chama-se “Fuga e Antifuga”, música de Edino Krieger e letra de Vinicius de Moraes.
Tentei separar as partes, masculina e feminina, para facilitar a leitura.

Fuga e Antifuga
(Edino Krieger & Vinicius de Moraes)

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Mulher
Homem

 
 
A viver o que existe
E que é só tristeza
É melhor já ser triste
Que não ter o que esperar

 
A esperança resiste É uma ilusão
A qualquer incerteza Desilusão
A suprema pobreza Da solidão
É não ter o que esperar  
   
 
É melhor desesperar,
É melhor desconhecer
É melhor desenganar
O coração que vai sofrer

 
Só o amor nos eleva É um adeus que nunca finda
Só o amor nos exalta Ai quem me dera o esquecimento
Sempre que ele nos falta É tão grande o sofrimento
Quem atende é a solidão  

 
  Ó tristeza infinita
Deixa em mim teu desespero  
  Que não há quem conforte
Um dia chega a primavera  
  O amor é a morte
Só a ti minha vida espera  
  É o céu da solidão

 

Vem sem mágoa e sem adeus
Vem banhar-te em minha luz
Vem plantar a tua cruz
Dentro da cruz dos braços meus, ó vem amar
 

 

E quando eu quiser partir
Quando a noite me chamar
Quando o sonho me vier

 

Saberei te compreender,
consolar, aquecer, perdoar, redimir
Sou mulher pra te adorar

Sou mulher pra te encontrar,
Sou mulher pra te perder
Sou mulher pra te ofertar
Tudo que é lindo no meu ser
Pra te amar até morrer

 
Ó amor infinito
Meu amado senhor
Pode vir na certeza
Matar minha sede de amor
Nunca mais a tristeza
Amor vem plantar tua cruz
Quero amar sem mais adeus nos braços teus Quero amar sem mais adeus nos braços teus

 

Meu amor infinito
Vamos juntos embora
Na esperança da aurora
Que da noite vai raiar

Meu amor infinito
Meu amor vem amar
Vem amar, meu amor
Meu amor
vai raiar o infinito
Sem tempo de adeus
Meu amor vem aos braços meus
Filed under: Digressões,Música — Um Barco @ 10:28 am

3 Comments »

  1. Uma pérola, não muito conhecida.
    Um primor de gravação.
    Minha chefe me emprestara uns LPs e eu, ávida por gravá-los, atrasei-me para o décimo aniversário de minha sobrinha.
    Mas eu estava radiante por ter conseguido registrar aquelas preciosidades.

    Comentário by Luzia Porto — sexta-feira, 4 novembro 2011 @ 3:07 am

  2. Há anos que ando procurando essa canção. Por favor coloque-a no You Tube para que todos possam conhecê-la.
    Um abraço Tânia

    Comentário by Tania Areas — domingo, 4 maio 2014 @ 1:26 pm

  3. Me de um retorno no e-mail

    Comentário by Tania Areas — domingo, 4 maio 2014 @ 1:27 pm

RSS feed for comments on this post.

Leave a comment

Gerado com WordPress