Um Barco

segunda-feira, 23 agosto 2004

Mar Grande

Nem sempre se escolhe o caminho.
Quando se escolhe, nem sempre é o melhor
Por mais que pareça, e nunca é demais
Quando muito, é o que é
E é tudo que se tem, opção.

Estradas,
Curvas escondidas, retas monótonas, cotidianas
Ladeiras íngremes, descidas velozes, emoções.
Trilhos, urbanos na maioria,
Desencontrados e curtos,
Estações, momentos, finais de linha, destino.

Mares, caminhos ondulados
Altos e baixos, calmarias e ondas,
Vagas, numa vida vaga
Sol e chuva, canto, pranto, cantochão.
E se vaga, navega,
E se espera, desespera
E se anda, desanda
E se inflama, chama, ama
E se chega.
Onde?

 

Mar Grande
(Paulinho da Viola e Sérgio Natureza)

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Se navegar no vazio
É mesmo o destino do meu coração
Parto pra ser esquecido
Navio perdido na imensidão

Lobo do mar, timoneiro
Me leve pro sol, quero outro verão
Não quero mar de marola
Das praias da moda na rebentação

Quero mar alto, o mar grande
Por favor não me mande de volta mais não
Não quero o cais, outro porto,
Não mais o mar morto da minha ilusão

Prefiro ir à deriva
Me deixe que eu siga em qualquer direção
Se eu sou de um rio marinho
O mar é meu ninho, meu leito e meu chão

Filed under: Música,Poesia — Um Barco @ 9:14 pm

1 Comentário »

  1. COMENTÁRIOS ANTIGOS

    [A ilha]
    Guiada por suas palavras, como o conhecido e mutável Mar fica bonito!!!!!! E eis que sobrevivemos ao grande tremor!!!!!Mas ele volta novo e de novo…… Volta suavizado??????
    26/08/2004 00:02

    [Unidades!]
    Dezenas! Li, ouvi e fiquei com um gosto de fundo do mar na boca. Submergi e te trouxe ‘as pratas e os ouros de Iemanjá’.
    25/08/2004 10:37

    [Nina]
    É isso, menino…nem tudo que parece bom, é realmente bom…e nem tudo que parece ruim, é indiscutivelmente ruim. O tempo é o senhor do destino, claro que lembrando, que destino é só metade da história, o resto, nós é que fazemos. Indubitavelmente, TUDO PASSA…e é essa certeza, que deve nos faz acreditar, que momentos melhores virão e os ruins ficarão no passado, levados pelas ondas da vida. Lindo seu post… Beijos. Nina.
    24/08/2004 21:58

    [Loba]
    E importa onde chegar? Importa viver. E viver é estar em eterno navegar – qto maior o mar mais possibilidades de se abraçar suas ondas e vagar em suas marés. Surpresa boa esta, viu? Volto amanhã…rs… hj minhas palavras estão tão perdidas qto eu! Beijos
    23/08/2004 22:58

    Comentário by Um Barco — sexta-feira, 17 abril 2009 @ 11:00 am

RSS feed for comments on this post.

Leave a comment

Gerado com WordPress