Um Barco

sexta-feira, 2 julho 2004

Olhar… substantivo…

Se os olhos são, como dizem, o espelho da alma, o olhar é o que vemos refletido. A força das palavras tecladas numa comunicação virtual é pequena, mínima, comparada com a carga de emoção que um olhar transporta.

Neste post traduzo, por versos alheios, parte dessa emoção e, de outra forma, a emoção despertada pela leitura do olhar da(o) outra(o).

Apesar do título do post ser fiel à natureza da palavra “olhar”, como substantivo, nada mais adjetivo que um olhar, que qualifica a comunicação, traduzindo o sentimento, a vontade, o desejo, a emoção, instantaneamente, para ser lido por quem tem sensibilidade à flor dos olhos.

E eu inicio com a música responsável por esse post, já que foi por ouví-la que resolvi publicar essa mensagem.

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Seu Olhar
(Gilberto Gil)

Há no seu olhar algo que me ilude
Como o cintilar da bola de gude
Parece conter as nuvens do céu
As ondas brancas do mar
Astro em miniatura, micro-estrutura estelar

Há no seu olhar algo surpreendente
Como o viajar da estrela cadente
Sempre faz tremer sempre faz pensar
Nos abismos da ilusão
Quando, como e onde vai parar meu coração?

Há no seu olhar algo de saudade
De um tempo ou lugar na eternidade
Eu quisera ter tantos anos-luz
Quantos fosse precisar
Pra cruzar o túnel do tempo do seu olhar

“…que passou por um sonho meu sem dizer adeus e fez dos olhos meus um olhar mais sem fim…”
“…que vontade de merecer um cantinho do seu olhar, mas tenho medo…”
“…eu vou ter que esquecer seu olhar na hora do adeus…”
“…essa canção quer você todo tempo que eu perdi, todo lance que rolar, cada momento e em qualquer lugar ou enquanto acender este brilho em teu olhar…”
“…este seu olhar quando encontra o meu fala de umas coisas que eu não posso acreditar…”
“…não deixe de cruzar o seu olhar com o meu, eu vou jogar meu corpo em cima do seu…”
“…e no teu olhar, tonto de emoção, com sofreguidão mil venturas previ…”
“…eu, você, nós dois, aqui neste terraço à beira-mar, o sol já vai caindo e o seu olhar parece acompanhar a cor do mar…”
“…teu olhar de tela sempre perguntando o que pensava e no filme eu também acreditava em me salvar no final…”
“…oh, pedaço de mim, oh, metade afastada de mim, leva o teu olhar, que a saudade é o pior tormento…”
“…ai que bom que isso é meu Deus, que frio que me dá o encontro desse olhar…”
“…tenho um mundo pra te dar e um brilho no olhar, tão sincero, vem viver comigo…”
“…quando olhaste bem nos olhos meus e o teu olhar era de adeus…”
“…brilha no céu de novo uma estrela soltando a luz que reluz seu olhar…”
“…em cada luz de mercúrio vejo a luz do seu olhar…”
“…um filhote de leão, raio da manhã arrastando o meu olhar como um imã…”
“…é na soma do seu olhar que eu vou me conhecer inteiro…”
“…foi assim, como ver o mar, a primeira vez que os meus olhos se viram no seu olhar…quando eu mergulhei fundo nesse olhar fui dono do mar azul, de todo azul do mar…”
“…um olhar me atira à cama, um beijo me faz amar…”
“…seu olhar em festa se fez feliz lembrando a seresta que um dia eu fiz…”
“…como um dia numa festa realçavas a manhã, luz de sol, janela aberta, veste em verde o teu olhar…”
“…e com o olhar esquecido no encontro de céu e mar, bem devagar ir sentindo a Terra toda rodar…”
“…teu coração, praia distante em meu perdido olhar…”
“…junto a mim morava a minha amada com olhos claros como o dia, lá o meu olhar vivia de sonho e fantasia e a dona dos olhos nem via…”
“…a todo amor se entregar sem medo de se perder, cada olhar é um segredo que sorri pra você…”

E haveria ainda tanto “olhar” para mostrar que esse blog seria um espaço pequeno demais. Deixo a cargo dos (poucos e heróicos) leitores outras contribuições. Quem sabe, haverá outro post em continuação a esse?

Filed under: Música — Um Barco @ 6:59 pm
« Newer Posts

Gerado com WordPress